O nome é Esperança, mas podia ser resistência, por Douglas.

Maré, Rio de Janeiro, Brasil
Josefa Gomes, 72 anos, natural da Paraíba, minha bisavó. Viveu 45 anos na Maré. Minha memória fala sobre os ensinamentos que ela deixou, o quanto isso influencia nas mulheres da minha família até hoje e a importância de termos mulheres como ela no território. Eu acredito que para sabermos a história de um lugar precisamos ir atrás de pessoas que estiveram nele desde o princípio. As pessoas carregam memórias da maré que nunca foram documentadas ou sequer faladas, coisas simples mas que fazem uma grande diferença na hora de entendermos sobre o território.