Memorias

Nosara, o rio que voltou: memória ambiental de Hojancha, Costa Rica

Hojancha, Costa Rica.

Hojancha é um município localizado na península de Nicoya, o décima primeiro e menor dos que compõem a província de Guanacaste. Hojancha foi fundada em 1971 e em 1972 que teve iluminação pública. No entanto, já existiam presença humana desde os tempos pré-colombianos como também residentes que se instalaram depois de uma intensa migração na década de 1930, aumentando assim a demanda por recursos naturais da área.

Segundo o Centro Agronômico Tropical de Pesquisa e Educação (CATIE), as atividades econômicas desenvolvidas no município estão relacionadas, em geral, ao setor primário, principalmente o agropecuário (pecuária, café, grãos básicos e vegetais) e silvicultura (plantações de teca e melina, viveiros, serrarias, comercialização de sementes e apicultura).

Nos meados da década de 1970, devido à intensificação dessas atividades produtivas mencionadas, Hojancha começou a enfrentar problemas ambientais relacionados à queda nos preços da carne, à superexploração de solos e aqüíferos, causando dificuldades no suprimento de água. No início dos anos 90 a vazão do rio Nosara, que pertence à maior bacia de Hojancha, havia diminuído consideravelmente o que resultou em uma emigração intensa, uma das taxas mais altas da América Latina, devido ao desemprego e empobrecimento dos habitantes de Hojancha.

A partir dessa crise a comunidade, juntamente com a administração pública, e organizações internacionais, desenvolveu estratégias para restaurar os ecossistemas através do reflorestamento e conservação da bacia do rio Nosara. Em 1992 foi criada a Reserva Natural de Monte Alto, consolidada a partir da participação dos moradores, que compraram terras e destinaram à recuperação da cobertura florestal, e outras medidas com estratégias alternativas para o uso dos recursos naturais.

A proposta de desenvolvimento rural integrado, o modelo de fazendas diversificadas e o conceito de árvores de uso múltiplo (cercas vivas, árvores com culturas perenes, pastagens, plantações, áreas de reflorestamento e proteção) apoiaram a recuperação de maneira complementar e integral a conservação dos principais bens e serviços ecossistêmicos de Hojancha (Centro Agronômico Tropical de Pesquisa e Educação (CATIE), 2012).

Hoje Hojancha é um exemplo bem-sucedido de organização comunitária e governança ambiental que se reflete no processo de restauração da bacia do rio Nosara e na conservação das suas florestas, valorizadas pelos diferentes serviços ecossistêmicos que elas fornecem: “… beleza cênica, por seu valor para a produção e proteção da água, por seu valor espiritual, recreativo e por seu valor comercial ”(Centro Agronômico Tropical de Pesquisa e Ensino (CATIE), 2012).

Essa série de ações realizadas pela comunidade fez com que Hojancha tenha se tornado o terceiro município mais igualitário e desenvolvido dos 11 que compõem a província de Guanacaste. No entanto, como dizem seus habitantes, os esforços não terminam e os processos de organização são tarefas que devem continuar inspirando modos de vida cada vez mais sustentáveis.

Leer tambien

¡Contar historias tiene poder!

Apoiadores e parceiros: